Formação Humana, Cultura e Aprendizagens

PROJETOS CAPES/PRINT PPGE PUC-Rio

Coordenação: Profª. Rosália Duarte


Universidades parceiras:

ARIZONA STATE UNIVERSITY /Estados Unidos; NORTH
CENTRAL TEXAS COLLEGE/Estados Unidos; UNIVERSIDAD DE ALCALÁ DE
HENARES/Espanha, PONTIFICIA UNIVERSIDAD CATÓLICA DE CHILE,
UNIVERSIDAD NACIONAL DE LA PLATA/Argentina, UNIVERSITY OF
COPENHAGEN/Dinamarca, UNIVERSIDADE DO MINHO/Portugal,
UNIVERSIDADE DE COIMBRA/Portugal, FACULTAD LATINOAMERICANA DE
CIENCIAS SOCIALES/Argentina, UNIVERSITÉ CÔTE D’AZUR/França

Descrição:

Em um mundo crescentemente marcado pela diversidade – étnica, religiosa, de gênero,
de classe – arte e cultura vêm adquirindo relevância progressiva em processos sociais
contemporâneos. Nossas pesquisas acompanham esse movimento, entendendo a
cultura como padrões de comportamento, artes, crenças e instituições; como mediada e
constituída por linguagens, incluindo mídias e tecnologias digitais e expressa em
línguas e outras formas de expressão estética. Nessa acepção, instituições e processos
educativos, formais e não formais, são centrais à transmissão e constituição de culturas,
individual e coletivamente e, portanto, da subjetividade humana além de estruturas
socioculturais. Seguindo essa acepção o objetivo é articular nossas investigações com
outros programas, junto com instituições no exterior. Os eixos principais do projeto
são: linguagens; identidades; aprendizagens; cognição; criatividade; materialidades;
sonoridades; estética, memória. Os objetivos centrais são: compreender como crianças,
jovens e adultos se formam como sujeitos em contextos formais e informais; o papel de
línguas, arte e culturas na formação identitária e na cognição humana; o papel do corpo
e do ambiente no pensamento humano; o papel das tecnologias e da mídia na cognição
e na aprendizagem humana; as dimensões ética e estética do pensamento e da
aprendizagem humana; processos educativos como formas de inclusão e resistência.
Nossa intenção é adensar a discussão em torno de arte e cultura e contribuir para
desenvolvimentos no campo da educação, em uma conjuntura marcada pela
aproximação de diferenças. Arte e cultura serão porta de entrada para pesquisas
auxiliares na implementação de políticas públicas; para processos de subjetivação e
produção de identidades individuais e coletivas; para reconceituação de noções tais
como mente, corpo e aprendizagem, resultando em novas políticas do conhecimento
relativas ao conhecimento transmitido, aos sujeitos de pesquisa e àqueles a que
formamos, os futuros profissionais da educação.

Problema:

O debate acerca do papel do corpo, da sensibilidade, das linguagens e da sociabilidade
na formação humana carece de aprofundamento e de abertura para outras perspectivas
téorico-práticas. Isso exige estudos voltados para a reconceituação de temas-chave da

área de educação, buscando construir uma perspectiva epistemológica que leve em
conta a dimensão estética e as diferentes linguagens e culturas na configuração do
entendimento humano. O pressuposto central é o de que essas dimensões são
imprescindíveis para o desenvolvimento humano e, portanto, para a aprendizagem. Por
essa razão, nosso problema de pesquisa consiste na reconfiguração dos conceitos de
mente, corpo, linguagens, aprendizagem e culturas dentro de um paradigma pós-
cartesiano de análise da transmissão/aquisição de conhecimentos. O projeto
acompanha a crescente estetização da vida coletiva e cotidiana na contemporaneidade,
permitindo considerar o lugar que a criatividade humana e cultural ocupa na aquisição
de conhecimento e na formação desses sujeitos, sejam eles crianças, jovens ou adultos.
Nesse sentido, o lugar que a dimensão estética ocupa em nosso projeto de pesquisa diz
respeito ao modo como esta, por meio das sonoridades, das materialidades e das
corporalidades, permitem-nos aceder a esses sujeitos, seus processos de subjetivação e
seus processos de formação. Na tentativa de analisarmos os processos educacionais e
suas formas comunicativas, buscamos entender a aprendizagem como um processo
inerentemente relacional, recursivo e emergente. É necessário vincular a corporalidade
com a linguagem e desenvolver uma análise que não inflaciona, nem reduz, corpos ou
linguagem verbal na explicação de cognição. Nessa concepção, a aprendizagem é
mediada pela comunicação, a cultura e a linguagem, mas também pelo movimento do
corpo, sua sensibilidade e seu acoplamento com a materialidade da vida. Por essa via
podemos compreender processos cognitivos como estando-no-mundo, em vez de na
cabeça, e que são constrangidos e regulados por sensibilidades estéticas e emotivas bem
como linguagem e dimensões normativas de práticas sociais e culturais. Ao agir e
comunicar, não só o sujeito aprende, mas aprende com o outro e ambos aprendem,
simultaneamente, a aprender.

Objetivos:

Reconceitualizar temas-chave da educação – mente, corpo, culturas, linguagens – em
diálogo com estudos contemporâneos, que rompem com o paradigma dualista e
internalista da aprendizagem humana.
Identificar e analisar currículos e processos pedagógicos que podem favorecer uma
formação humana plena. Incorporar ao debate educacional novas concepções acerca do
papel desempenhado pela percepção estética, as linguagens e os artefatos culturais nos
processos de aprendizagem e na formação humana. Oferecer subsídios para a
reconfiguração e inovação das ideias, das instituições e das práticas educativas em
contexto brasileiro. Rediscutir as teorias do conhecimento e da aprendizagem com uma
perspectiva crítica ao racionalismo internalista e a sua aplicação nas práticas
educativas.